A educação é uma mercadoria?

Sim, é.

A educação é uma mercadoria. E digo mais. A educação estatal é uma mercadoria superfaturada, ruim e ineficiente. E que todo pobre é obrigado a comprar, sem mesmo usar. Sabia que 90% das receitas das universidades federal são destinadas simplesmente para pagar salários de professores e técnicos, com salários 60% acima da média da iniciativa privada? Pois é. E aqui em Mato Grosso tem algo mais ridículo. A universidade federal de MT subsidia refeições a R$ 1 real para todos os estudantes, independente da renda. Ou seja: estudantes adultos universitários pertencentes à classe mais alta da sociedade, têm 3 refeições ao dia financiadas por cidadãos pobres e analfabetos. É tipo uma casa de caridade bancada por pessoas que vivem abaixo da linha da pobreza, destinada para jovens e adolescentes privilegiados das classes altas.
No livre mercado, o consumidor tem papel fundamental para ditar quais produtos são bons e merecem ser valorizados, e quais são ruins e merecem ser eliminados. No estatismo acontece o contrário. Os consumidores são obrigados a comprar um produto ruim e muito mais caro. E por conta disso, ficam impossibilitados de adquirir um produto melhor e mais barato.

Artigos Recomendados